E que a minha loucura seja perdoada
Porque metade de mim é amor
E a outra metade também.

segunda-feira, 24 de dezembro de 2012

Então é Natal~


Pois é, já estamos na véspera do Natal. 2012 passou voando, e é um ano que ficará para sempre guardado com carinho em meu coração! Logo logo, no mesmo dia que fizer minha singela homenagem aos aniversariantes de dezembro (embora meu último post sobre aniversários não tenho tido utilidade alguma pra ninguém, ainda assim farei o de dezembro, como prometi), farei uma breve retrospectiva, mas não agora. Agora eu vim falar do Natal.

O que é o Natal? Festa? Ceia? Troca de presentes? Luzes? Enfeites? Árvore? Peru? “Pinheirinhos que alegria”? Dinheiro? Lucro? Vendas? Comércio? Neve? (só se for nos filmes, porque aqui no Brasil... tá muito quente!) Família reunida em volta da mesa? Fogos de artifício? Champagne (ou espumante, hihi)? Amigo Secreto?

É... Natal não é isso. Isso tudo pode ter uma pequena participação, mas nada disso um dia será a atração principal. Porque Natal... é outra coisa.

Vejamos um exemplo. Meio nada a ver, bobo e pobre demais, mas enfim, acho que dará para entender. A Karla, minha irmã mais nova, é muito fã de uma boyband. Não é fã de boybands japonesas como eu, ela é uma rusher. Ou seja, fã de Big Time Rush. É um grupo norte-americano que surgiu há uns anos. Esse ano, em setembro, no “Z Festival”  que teve em São Paulo, eles iriam se apresentar.

Até aí, ok. Obviamente, a Karla quis ir, com uma amiga dela que também é rusher. Acontece que o show não era só do Big Time Rush, ao contrário, tinha vários outros artistas dando seus shows também, como a Demi Lovato, que é uma cantora de quem a Karla gosta muito também. Mas, mesmo assim, o que minha irmã queria mesmo era ver os quatro gatinhos do grupo. Ou seja, para ela e para amiga dela, eles eram a atração principal, mas para vê-los, elas precisavam ver todos os outros que se apresentaram. É claro que elas foram ao “Z Festival”, viram todos os grupos musicais, para poder ver o Big Time Rush.

Imaginam agora que o Natal tem um pouquinho de tudo aquilo que eu falei acima, como se fosse um “Z Festival”. Alguma daquelas coisas, como a troca de presentes ou a família reunida pode ser considerado como a Demi Lovato, algo de que gostamos muito. Mas a atração principal, o MOTIVO real pelo qual celebramos o Natal é lembrarmos-nos do NASCIMENTO DE JESUS.

Não estou aqui comparando uma data tão verdadeiramente importante e grandiosa quanto o Natal com um simples festival de música, este foi apenas um exemplo.  Logicamente, Jesus é infinitamente maior e maravilhosamente mais glorioso que uma boyband (e isso serve pro Big Time Rush, para minha irmã, ou Arashi, para mim).

O que quero dizer aqui é que Jesus Cristo, o Salvador do mundo, é o verdadeiro sentido do Natal!  E por Ele celebramos. Se no Natal há enfeites, luzes, troca de presentes, amigo secreto, família reunida, ceia e o que for, é tudo tão somente um acréscimo!
Nada disso é errado, pelo contrário. É superválido, quando mantemos o foco em Cristo. Se Ele for o MOTIVO do seu Natal, então tudo o mais que vem junto pode vir! Afinal, quem não gosta de ganhar presente? Até Jesus, o Homenageado, ganhou presentes. Mas, se o presente tem tomado o lugar de Cristo no seu Natal, se torna errado, um pecado.

Tem um hino cantado na minha igreja, do Hinário NovoCântico, que eu acho lindo! Eis a letra:

231.O Primeiro Natal

o    Eis que um anjo proclamou o primeiro Natal,
o    A uns pobres pastores ao pé de Belém
o    Que, nos campos, a guardar seu rebanho, afinal,
o    Suportavam, da noite, o frio também.

o    Natal! Natal! Natal! Natal!
o    É vindo ao mundo o Rei divinal!

o    De repente, lá no céu, linda estrela surgiu,
o    E no oriente brilhou com estranho fulgor.
o    Veio à terra forte luz que do céu lhe caiu
o    Muitas noites, ainda, em fulgente esplendor.

o    Tal estrela apareceu e os magos guiou
o    Pela estrada a Belém, rumo certo os conduz.
o    E chegando ali, por fim, a estrela parou,
o    Mesmo acima da casa em que estava Jesus.

o    E os magos, com afã e sublime temor,
o    Os joelhos dobraram naquele lugar
o    Para ofertas liberais, e de raro valor
o    Qual incenso, ouro e mirra, ao Menino entregar.

o    E como eles, vimos nós, com intenso fervor,
o    Dar louvores sinceros a quem nos amou;
o    Adorar de coração o Supremo Senhor
o    Que, morrendo na cruz, nossas almas salvou!

É isso. Temos que trazer nos corações o Verdadeiro Natal! E proclamar ao mundo que Cristo, Filho de Deus, veio ao mundo para salvar o pecador!

Imagem retirada de um álbum do facebook de Anne Talita


Desejo a todos um Feliz Natal!!!

4 comentários:

Dezzajp disse...

Lindo,flor!!esse é o verdadeiro espírito natalino que a maioria esquece...o espírito que eu queria recuperar...sim,eu quero mas acredite,não é fácil num país onde isso não existe,as pessoas não cultivam e nem ao menos acreditam...já houve um caso de ser perguntada do pq...sim,pq eu acreditava num homem cricificado numa cruz...nem quero falar disso...enfim,seu post lindo,como sempre. Feliz natal!

My Carol disse...

Drezza, sua linda! Ai, fiquei feliz com seu comentário!! Na verdade, meu coração se alegra com cada comentário nesse meu blogzinho~

Infelizmente, o cristianismo não é presente em todo mundo. Nem todos acreditam... e, realmente, muitas vezes é desanimador, como no seu caso aí, crer em algo no meio de pessoas que vivem num mundo "tão diferente" (e tão igual, né, afinal é o país onde você mora, hihi).

Feliz Natal! Embora pra você o Natal tenha passado e aí seja dia 26 já.

E~ obrigada sempre!

Carlos Pereira disse...

Parabens filha, testo muito bom e ajuda a pessoas pensarem no verdadeiro sentido do NATAL, já esquecido pela maioria,
bjs..

My Carol disse...

Papai!! Você leu!! E comentou!! Fiquei feliz agora~